Redes Social

Feira-livre da Rua André Vidal de Negreiros: Referência em organização

Deu o Carai em Vitória. A Cidade recebe prêmio por ter uma das feiras-livres mais bem organizadas do País.

 Foto meramente ilustrativa

Sábado! – que também é o último dia da semana -. Eis um belo dia para fazer as compras de frutas, verduras e legumes... Principalmente se, como local, for escolhido a feira-livre da Rua André Vidal de Negreiros - também conhecida como Rua da Águia,  Rua da Maçonaria e Rua do Barateiro - , que fica no centro da Cidade de Vitória de Santo Antão, Zona da Mata Sul de Pernambuco.

Feira-livre, para os menos afortunados cognitivamente, são fenômenos econômicos sociais muito antigos e já eram conhecidas dos Gregos e Romanos. Entre os Romanos, por causa das implicações de ordem pública que as feiras tinham, estabeleceu-se que as regras de suas criação e funcionamento dependiam da intervenção e garantia do estado. O papel das feiras tornou-se verdadeiramente importante à partir da chamada revolução comercial, ou seja, do século XI. Daí em diante, seu número foi sempre aumentando até o século XIII.

A feira é um lugar movimentado, cheio de sons, cores, cheiros, e o mais importante de todos: Carrinhos de mão (Padá! Padá Padá Bá!), que é o grande destaque das feiras de Vitória de Santo Antão - talvez por isto chame a atenção numa primeira análise -. Nas feiras, por aí a fora, o colorido das frutas e legumes nas barracas iluminadas pela luz do sol filtrada através dos toldos proporcionam um visual muito bonito. Em alguns lugares o sol passa direto pelas frestas e espaços entre a barracas criando uma luz incrível – Não na Cidade em questão - .

As feiras livres existem no Brasil desde o tempo da colônia. Apesar dos "tempos modernos" e dos contratempos que elas causam em grandes cidades, elas não desaparecem. 

 A feira da Rua André Vidal de Negreiros, deste glorioso município, é um exemplo de organização. Barracas bem padronizadas,  umas caindo, outras com pregos  expostos – prego é um material de metal ou ferro com uma das pontas afiadas - . Enfim, o risco de contrair Tétano ou  outra mazela é eminente.  A feira, ainda possui extensos e largos corredores... tão largos que cabe uma pessoa e dois carrinhos de mão... Outra característica é a extensão da feira, o individuo para percorrer os seus aproximados 300 metros de comprimento, sem comprar nada, leva em média o dia todo. Isso acontece devido ao “engarrafamento” de pessoas, carrinhos de mão, e as vezes (quase sempre) motociclistas ou motoqueiros, que dividem o mesmo espaço.

Sem mais delongas, de acordo com algumas informações colhidas pelos escribas do Blog, a prefeitura do município tem um projeto de organização e revitalização da Rua. Porém, o gestor para não perder eleitores ou para não deixá-los tristes, ou ainda para não atiçar a oposição partidária, não deu a ordem de serviço para que o projeto fosse posto em prática.

Enquanto isso, a cidade cresce, se desenvolve e a feira da Rua da Águia continua lá, com todo seu “vuco-vuco”, dando orgulho. Por isso, o Blog Deu o Carai em Vitória,  sente-se honrado em oferecer o troféu "Joinha", como forma de homenagem ao modelo de organização da feira, que é único. Parabéns!



Blog Deu o Carai em Vitória
Informações complementares do Portal do Roberto Agápio
Imagem: Google Imagens

3 comentários:

  1. Essa cidade de Vitória, viu... sei não...
    rarsrrrs[
    É melhor levar as coisas na putaria, mesmo!

    ResponderExcluir
  2. hehehe, doidera

    adorei seu blog, seguindo, sempre que puder passarei por aki!

    http://daianecristinasilva.blogspot.com/

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Muito legal o blog, estou seguindo!

    Siga o meu também: http://futebolsportshow.blogspot.com/

    Abraços!

    ResponderExcluir

Opinião é como cheque: todo mundo pode emitir, mas não necessariamente vale alguma coisa. Respeito é bom e todo mundo gosta.

 

OUTROS BLOG'S DE VITÓRIA

OUTROS BLOG'S DE VITÓRIA
Revista Fragmentos

Travessia Mata Centro

Escola Virtual

Ven1

Dieguinho Gravações

Marcelo de Marco

Amor por Clássico