Redes Social

Cuidar da cidade é a melhor forma de comunhão




Dono de uma inteligência privilegiada, o arquiteto e urbanista Jaime Lerner é um dos mais competentes pensadores da dinâmica das cidades. Lerner certa vez disse “A maior atração de uma cidade é a qualidade de vida de seus moradores”.

 Para um expressivo número de cidades Brasil afora, pensar e planejar estrategicamente o desenvolvimento sustentável com foco na qualidade de vida de seus moradores, ainda é um desafio sem data para ser enfrentado.

Quando a dinâmica da cidade não é pensada nem planejada, a população é quem sofre as mais cruéis conseqüências. Como também quando a cidade é pensada e planejada, a população é quem usufrui das boas conseqüências. E isso acontece por uma razão simples: nós não estamos na cidade, nós somos a cidade.

A maioria dos políticos – em especial os prefeitos – só pensa e planeja eleições. Um grande número de prefeitos passa a maior parte do tempo pensando e planejando política partidária e eleições, e a menor parte do tempo tentando administrar a cidade. É bem verdade que dentro dessa improdutiva realidade existem raríssimas exceções. O problema é que, o que é exceção, deveria ser a regra.

 É aí que reside o perigo. Se você perguntar a respeito das próximas eleições, a maioria dos políticos é capaz de pensar e planejar os mais variados e vantajosos cenários nas inúmeras eleições dentro dos próximos 12 anos.

É assim que a imensa maioria das prefeituras tem trabalhado. A política partidária tem sido mais importante do que a cidade, e isso tem maltratado muitas cidades. Quando a cidade é maltratada, quem sofre de verdade são as pessoas que nela vivem.

A política partidária e as eleições são importantes pilares do processo democrático, mas na relação com a cidade o que precisa existir é um modelo de desenvolvimento sustentável onde a estrutura política funcione para fomentar a qualidade de vida na cidade, e não o contrário.

Para tanto, as prefeituras precisam de um conjunto de pessoas capazes de pensar, planejar e executar um modelo de desenvolvimento sustentável, que tenha como resultado primordial um elevado grau de qualidade de vida coletiva na cidade.

A cidade congrega vidas, mas não qualquer vida, a cidade congrega nossas vidas. E da mesma maneira como pensamos e planejamos o melhor para nossas vidas, precisamos pensar e planejar a vida da cidade.

O debate da cidade precisa girar em torno de temas como saúde, educação, segurança, urbanização, limpeza, infraestrutura, economia, cultura, mobilidade, meio ambiente e assim por diante. Se quisermos viver melhor, precisamos tornar nossa cidade cada vez melhor. A relação é diretamente proporcional: quanto melhor for a cidade, melhor será a qualidade de vida das pessoas que nela vivem.

Cuidar da cidade é a melhor forma de comunhão, é a melhor forma de cuidar de todos sem distinção. Pense nisso e cuide de você cuidando da sua cidade, afinal de contas… você é a cidade!


Blog Deu o Carai em Vitória
Texto extraído integralmente do Blog Acerto de Contas
(Autoria: Bruno Bezerra)

2 comentários:

  1. Vitória creio que é a cidade mais desorganizada que conheço ( não sei se é por que só conheço direito esta cidade) tudo é feito sem planejamento para o futuro, quando um loteamento é feito as suas ruas não geograficamente coincidem com as ruas de outros bairros adjacentes, as caçadas são invadidas pelos proprietários de seus imóveis, obrigando seus transeuntes caminhar pelo calçamento ( quando há) as praças e logradores públicos são invadidas por barracas e os políticos sempre permitem para não desagradar alguém ou perder votos, a nossa avenida Henrique de Holanda estar cada dia mais sendo estreitadas pelas ocupações desordenadas dos empresários e comerciantes, E ultimamente deu o carai mesmo em frente a compesa, Estão invadindo aquela parte desocupada que pertence a Antiga BR 232 em Caiçara I, em frente ao posto de Rubão, no cajueiro estão também invadindo aquelas terras após o posto médico, e tem mais em caiçara II, na área que pertence a antiga refesa, também estão invadindo, agora neste período eleitoral onde tudo isto é permitido estão botando para quebrar já que o prefeito está mais omisso ainda. Imaginem se no futuro decidirem enlarguecer aquele logradouro e fazer mão dupla? agora sabem porque fazem isto? a resposta é simples serão indenizados. Quando a BR 232 estava para ser duplicada a imprensa local oposicionista falava que o Seu Elias conseguiu que a mesma passasse por sua fazenda para conquistar indenização pelas terras ocupadas, foi não o motivo da Br não passar por dentro da cidade foi por que se por aqui tivesse que passar teria que pagar muitas desapropriações e causaria muita perda de tempo, as áreas estavam ocupadas desordenadamente. Com isto a pista passou por fora e muitos comerciantes perderam muitas oportunidades de fazer negócios, nossa cidade não tem um plano diretor tudo é feito na base do arrumadinho os políticos não pensa em bem administrar a cidade mas em ganhar a próxima eleição. a Avenida Mariana Amália e Primitivo de Miranda estar uma bagunça, as calçadas ocupadas pelas propagandas eleitoreiras, quando um prefeito decidir tirar os feirantes daquele local será filmado e passarão na sua cara durante toda seu existência afirmando que o mesmo perseguiu os pobres e não gosta deles, faço parte do grupo vermelho, mas que deve haver uma forma de tirar os feirantes das praças e avenidas e os por em local ordenado,quando precisarmo comprar seus produtos onde eles forem colocados iremos lá sim. Ser político bom não é deixar todo mundo fazer o que quer não.

    ResponderExcluir
  2. Sem se falar nas invasões das áreas ciliares do Itapacurá. quase toda área urbana está sendo invadida e aterrada, No Maués por traz da feirinha a prefeitura dá sua parcela de burrice, aterra parte da área que serve de reservatórios naturais nos períodos chuvosos, uma verdadeira aberração ecológica.

    ResponderExcluir

Opinião é como cheque: todo mundo pode emitir, mas não necessariamente vale alguma coisa. Respeito é bom e todo mundo gosta.

 

OUTROS BLOG'S DE VITÓRIA

OUTROS BLOG'S DE VITÓRIA
Revista Fragmentos

Travessia Mata Centro

Escola Virtual

Ven1

Dieguinho Gravações

Marcelo de Marco

Amor por Clássico