Redes Social

Brasil, um pobre país rico




Os jornais brasileiros festejam hoje a notícia de que o Brasil superou o Reino Unido e passa a ser, em 2012, a 6ª maior economia do mundo. Se mantidas as condições de temperatura e pressão, é provável que ainda nesta década tomemos o quinto lugar da França, cuja riqueza vem despencando há algum tempo. Mas precisamos ainda comer muito feijão para encostar na quarta colocada, a Alemanha, hoje o motor da economia europeia. E nem é preciso falar do Japão, China e EUA.

As análises superficiais e ufanistas que eu li hoje esquecem que o Brasil é ainda, infelizmente, um pobre país rico. Vamos aos números.

Estudo recente da Fundação Getúlio Vargas apontou que nos governos Itamar Franco/FHC, com o controle da inflação, a pobreza teve redução de 32%. O governo Lula conseguiu, via programa de transferência de renda, o Bolsa Família, uma queda ainda maior: 50%.

Nota-se, pois, que a estabilização econômica somada a políticas públicas compensatórias foi o pulo do gato brasileiro. Alie-se a isso a responsabilidade fiscal – tão atacada pelo PT na sua criação, mas que mostrou-se extremamente necessária.
Porém, todavia, entretanto…

Todo esse esforço de quase duas décadas serviu apenas para que o Brasil retomasse os padrões de meados do século passado. Em 2010, atingimos 0,53 no Índice de Gini – usado para medir desigualdade de renda; quanto mais perto de zero, melhor a distribuição. Em 1960, o índice brasileiro era de 0,536. Nosso pior momento foi no final do governo Sarney, quando Índice de Gini nacional era de 0,609.

Devemos comemorar? Não sei. Se no âmbito da geração de riquezas estamos colados com França e Reino Unido, na sua distribuição nossos colegas são Zimbabue (Gini de 0,568) e Senegal (0,541). E perdemos feio para Ruanda (0,289).

No quesito desigualdades regionais, peguemos os dados do IBGE referentes à renda por Estado e Região, entre 2002 e 2009. O Sudeste detinha 56,7% da renda brasileira. Caiu para 55,3%. O Nordeste cresceu de 13% para 13,5%, o Sul de 16,9 para 16,5%, o Centro-Oeste passou de 8,8 para 9,6% e o Norte passou de 4,7 para 5%. Isso mostra que, no governo Lula, houve um pequeno deslocamento em favor das regiões mais pobres. Porém, em 2009, São Paulo (33,5%) e Rio de Janeiro (10,9%) ainda detinham 44,4% da riqueza da nação.

Também é preciso observar as distorções, como o fato incontestável de que o país foi sequestrado por alguns setores do funcionalismo público. Vejam vocês: o Distrito Federal, cuja economia está lastreada basicamente nos salários dos ‘barnabés’, teve renda per capita, em 2009, de R$ 50.438,46. Enquanto isso, a segunda colocada, a região mais produtora da América Latina, São Paulo apresentou renda por habitante de R$ 26.202,22. Praticamente a metade. Ou seja, o Brasil produtivo paga as contas da velha e surrada burocracia, que deixa muito a desejar na contrapartida de serviços públicos.

Eu lembro que no passado recente cunhou-se um slogan para justificar as desigualdades de riqueza, fossem elas individuais ou regionais. Dizia-se: “É preciso deixar o bolo crescer, para depois dividi-lo”.

Bem, o bolo cresceu. Quando é que a gente vai dividir???


Blog Deu o Carai em Vitória
Fonte: Blog Acerto de Contas

Um comentário:

  1. Lembra muito o paroco local, fazendo campanha ao lado do nosso ilustre prefeito das promessas não cumpridas.

    ResponderExcluir

Opinião é como cheque: todo mundo pode emitir, mas não necessariamente vale alguma coisa. Respeito é bom e todo mundo gosta.

 

OUTROS BLOG'S DE VITÓRIA

OUTROS BLOG'S DE VITÓRIA
Revista Fragmentos

Travessia Mata Centro

Escola Virtual

Ven1

Dieguinho Gravações

Marcelo de Marco

Amor por Clássico